• Yokota Odontologia

Cárie sem dor: isso é possível?

A cárie é um dos problemas mais lembrados quando se trata de saúde bucal. Um dos sintomas mais conhecidos dessa doença é a dor após a ingestão de alimentos doces, quentes ou frios e, por isto, logo que se nota uma dor de dente, a primeira associação que as pessoas costumam fazer é com a cárie.


Mas você já pode ter ouvido relatos de alguém ou até mesmo já pode ter passado pela situação de chegar ao consultório odontológico para uma consulta de rotina, sem estar apresentando sintoma algum e, então, descobrir que tem cárie. Mas será que é possível que a cárie surja mesmo sem dor?

A cárie dentária está relacionada à destruição dos tecidos duros do dente. Ela é uma doença que depende de vários fatores para ocorrer e progredir. Uma alimentação rica em açúcares e hábitos deficientes de higienização estão entre as principais causas da doença. Restos alimentares que ficam na boca e não são devidamente removidos são decompostos pela ação de bactérias que produzem um ácido que corrói as estruturas do dente, levando à perda de minerais.

Lesões nos dentes, como manchas brancas, acastanhadas ou enegrecidas e cavidades na superfície são sinais da doença cárie. Um sinal que também pode ser indicativo de lesão de cárie é percebido no momento de usar o fio dental: caso ele esteja rasgando ou desfiando ao ser introduzido entre os dentes, o fio pode estar se prendendo no tecido cariado, que fica rugoso.

Apesar de a dor ser um dos sintomas mais conhecidos desse problema, é sim possível ter cárie sem sentir dor, pois os sintomas dolorosos costumam aparecer quando a doença está em um estágio mais avançado. Essa dor deve ainda ser diferenciada pelo dentista de uma sensibilidade dentária devida a outras causas, como por exemplo, a retração gengival.

Como a dor costuma surgir nos estágios mais avançados da cárie, você pode estar se perguntando: “mas então, como posso saber se estou com cárie?”. É nesse momento que se justifica a tão comum recomendação de visitar seu dentista com frequência mínima de seis em seis meses, independentemente de haver ou não algum sintoma. Além disso, ter uma dieta equilibrada, evitando alta frequência de ingestão de doces e bebidas açucaradas, realizar uma boa higienização após as principais refeições e antes de dormir com o uso de fio dental, e escova macia e técnica correta são hábitos que ajudam a evitar o surgimento da doença.

Se você gostou dessas informações e as considera úteis, clique nos seguintes links destacados para compartilhá-las com quem você se importa pelo WhatsApp ou pelo Facebook.

Grande abraço de nossa equipe!

Este artigo tem objetivo de divulgar informações sobre tópicos gerais de odontologia e saúde oral. Seu conteúdo não substitui a orientação, o diagnóstico nem o tratamento com profissional especializado. Quaisquer dúvidas que você tenha sobre tratamentos, sinais ou sintomas de doenças devem ser sempre esclarecidas com seu dentista, médico ou outro profissional especializado.




Posts recentes

Ver tudo